Business

Juiz decide contra disposição de divulgação da Lei de Transparência Corporativa

Num golpe nos esforços do governo para combater o branqueamento de capitais, um tribunal federal decidiu que o Departamento do Tesouro não pode exigir que algumas pequenas empresas comuniquem dados pessoais sobre os seus proprietários.

Ao abrigo de uma secção de uma lei de 2020 que entrou em vigor em 1 de janeiro, as pequenas empresas devem partilhar detalhes sobre os chamados proprietários beneficiários, indivíduos que detêm participações financeiras numa empresa ou têm poder significativo sobre as suas decisões comerciais. A lei, a Lei de Transparência Empresarial, foi aprovada com apoio bipartidário no Congresso e destinava-se a ajudar a divisão de crimes financeiros do Departamento do Tesouro a identificar branqueadores de dinheiro que se escondem atrás de empresas de fachada.

Mas numa decisão emitida na sexta-feira, a juíza Liles C. Burke, do Tribunal Distrital dos EUA em Huntsville, Alabama, apoiou os críticos da lei. Eles argumentam que pedir aos proprietários de uma empresa que apresentassem dados pessoais – nomes, endereços e cópias dos seus documentos de identificação – foi um caso de exagero do Congresso, por mais bem intencionado que fosse.

“O Congresso às vezes aprova leis inteligentes que violam a Constituição”, escreveu o juiz Burke em um documento de 53 páginas. “Este caso, que diz respeito à constitucionalidade da Lei de Transparência Corporativa, ilustra esse princípio.”

A decisão do juiz Burke impediu o departamento de impor os requisitos de declaração de propriedade ao demandante no caso do Alabama, a National Small Business Association, um grupo comercial sem fins lucrativos que representa mais de 65.000 empresas membros.

Os advogados que acompanharam o caso do Alabama disseram no fim de semana que esperavam que o governo solicitasse rapidamente que a liminar fosse suspensa, seja pelo juiz Burke ou pelo Tribunal de Apelações do 11º Circuito de Atlanta, ou ambos. O Departamento de Justiça quase certamente apelará do caso do Alabama para o tribunal distrital, disseram os advogados.

Morgan Finkelstein, porta-voz do Departamento do Tesouro, disse que a sua agência estava “cumprindo a liminar do tribunal”. Ela encaminhou outras questões ao Departamento de Justiça, que se recusou a comentar.

Enquanto advogados e especialistas em transparência se debruçavam sobre a opinião do juiz Burke, o impacto imediato da decisão para o universo das pequenas empresas nos Estados Unidos, que o governo estima em 33 milhões, não era totalmente claro.

As empresas tiveram um ano para cumprir os requisitos de relatórios no que se refere ao ano de 2023, portanto, os dados nem sequer são devidos até o final de 2024. E a decisão do juiz Burke, lida de forma restrita, não se aplica a pequenas empresas que não são membros da organização comercial que moveu a ação no Alabama, o que significa que a maioria das empresas afetadas pelo mandato ainda deve cumprir.

“Isso só tornou tudo mais complicado para muitos dos meus clientes”, disse Angela I. Gamalski, que assessora grandes e pequenas corporações em questões regulatórias e de conformidade no escritório de advocacia Honigman LLP em Ann Arbor, Michigan. dos seus clientes planeavam esperar até ao verão para se aprofundarem nos requisitos de apresentação de relatórios e no que eles significavam, dado que o prazo de apresentação não é até dezembro e a aplicação da lei parece estar em evolução.

Os defensores de maior transparência condenaram a decisão.

“Esta é uma decisão aberrante emitida por um único juiz distrital no Alabama, baseada numa visão extraordinariamente estreita dos poderes constitucionais do Congresso que não é apoiada por precedentes”, disse o senador Sheldon Whitehouse, o democrata de Rhode Island que é um dos apoiantes da lei. “Exorto o governo a recorrer rapidamente para corrigir a decisão errada e garantir que os requisitos de transparência da lei possam ser implementados de forma completa e uniforme.”

Source link

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button